sábado, 28 de fevereiro de 2015

#Automutilação

A automutilação é sem dúvida um dos vícios mais graves existentes na nossa sociedade, apesar de se falar pouco sobre o problema…
Muitas vezes os jovens começam a cortar-se com entrada na adolescência, falta de confiança, serem alvos de gozo, por vezes abusos sexuais ou tentativas, são algumas das razões, que os levam a entrar neste mundo da dor.
Cortam-se uma vez, duas, três… Pensando que quando quiserem conseguem parar de um momento para o outro, mas não é bem assim, chega-se a uma dada altura que cortar-se se torna um vício pois sempre que se sentem mal cortam-se para "aliviar", sempre que se irritam voltam a fazê-lo, praticamente, chegam a um ponto, que se cortam por tudo e por nada...
Grande parte desses jovens choram todas as noites até adormecer, tentam manter-se afastado de todo o mundo para não ouvir aquelas bocas a gozar, fingem e forçam um sorriso para que não se desmanchem em lágrimas, a dor de uma lâmina a arrastar-se pelos braços parece aliviar a parte psicológica, ficam completamente viciados na dor.
Alguns conseguem parar, outros quando se apercebem, já é tarde de mais, quando se apercebem que aquele não é o caminho certo já cortaram demasiado fundo, já estão nos seus últimos minutos. Mas aqueles que conseguem sobreviver e largar o vício, aquilo por que passam é demasiado forte… Os arranhões, os cortes, as lâminas, a dor, as marcas, nada disso vai desaparecer, é parte do passado desses jovens, nunca o vão conseguir apagar e quer queiram quer não vai fazer parte deles para sempre, mas, às vezes, apesar de tudo, ao mesmo tempo não querem que desapareça, pois as pessoas em que se tornaram se calhar nunca iria existir, talvez nunca viessem a ter metade da experiência de vida que ganham, tal como provavelmente não ficariam tão fortes como muitos ficam.

E eu admiro estes jovens, pois acredito que seja muito difícil e que seja preciso lutar muito para se conseguirem libertar deste horrível vício que é a automutilação, principalmente porque o corpo fica marcado dos cortes para sempre e por muito que tentem disfarçar, o passado não é apagado e as cicatrizes vão continuar presentes e mesmo assim, alguns, não deixam de mostrar o corpo, pois essas mesmas marcas são testemunho de um passado que nunca mais vai voltar e de uma grande experiência de vida.

O livro que apresentei em português foi Abzurdah, é um livro cujos temas são bulimia, anorexia e automutilação, como é óbvio o tema que escolhi para desenvolver na minha apresentação foi automutilação, o texto acima foi uma espécie te "texto plano" mas o que é verdade é que eu disse isto (de uma outra forma) como falei de outras cenas... Estava mega nervosa mas consegui ter 17 (aaahhhh nem acreditei). No fim da aula o stor perguntou-me o porquê de eu ter escolhido este tema e eu disse que foi porque é um tema pouco falado, depois perguntou-me se eu o fazia, eu nesse momento o meu coração saltou disse instantaneamente NÃO, mas fiquei ligeiramente assustada porque pensei que o stor se tivesse apercebido.

Sem comentários:

Enviar um comentário